Como ter a disponibilidade criativa e lúdica de um anônimo construtor de castelos de cartas que se submete apenas às injunções do próprio medo (sagrado medo!) de que eles desabem diante dos seus próprios olhos?

sábado, 10 de novembro de 2012

DIÁRIO SOBRE A METARMOFOSE DAS NUVENS (1)



DIÁRIO SOBRE A METARMOFOSE DAS NUVENS (1)


a)

Estáticos no céu
Pequenos dragões
Como a recordar o tempo
Em que eram apenas terrenos vulcões.

b)

Então, uma cortina cinza de nuvens
Cai sobre o horizonte,
Abrindo um corredor azul-mortiço
Para os pterodátilos.

c)

Um sapo estatelado no ar
Perde uma perna.
Depois outra.
Nunca mais irá saltar.

d)

Suponho que é um bobo
Com um gorro de pontas,
Mas não ouço guizos.
Nem risos.

e)

É Ajax Telamônio que se atira
Sobre a própria espada,
Mas esta se esgarça
Antes de lhe trespassar o peito.
Em segundos, o próprio guerreiro,
Sem perder uma gota de sangue,
Também é desfeito.

f)

Somem as cabeças da hidra,
Uma por vez.
O vento poupou uma tarefa
A Hércules.

g)

Um cacto
Sobre si mesmo se dobra
E gira:
Agora é branca rosa 
Sem espinhos.
Mas ainda retém água.


13 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. De carne e osso e mau temperamento.
    De carne e osso e mau temperamento e alguns sofrimentos.
    De carne e osso e mau temperamento e alguns sofrimentos e encantamentos.
    Transformo-me em outra nuvem.

    beijoss

    ResponderExcluir
  3. Nuvens é com a Lelena! :-)

    Beijos, Marquinhos

    ResponderExcluir
  4. Milagres que só um poeta é capaz de criar!!!
    Flutuo por alguns instantes para em seguida
    estatelar-me nas nuvens de concreto que me rodeiam...!

    Esse vídeo está excelente!!!

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Você está no Blog Diário de Letras II e vim lhe conhecer. Profundidade e talento, filosofia como religião. Eu, cativo de suas letras. Aplausos!!!

    ResponderExcluir
  6. Um set de estórias encadeadas, sim, eu vi! E eu gosto muito quando isto acontece, Marco, é mágico sair de uma emoção para outra, num curto espaço de tempo, e eu te agradeço muito.
    Corrigido o comentário, um abração pra ti

    ResponderExcluir
  7. Sapo sem pernas precisa de uma rãzinha que o empurre!! :)

    beijoss

    ResponderExcluir
  8. MAIS

    a beleza
    é feita
    assim

    de referência
    ela é tudo

    que mais podemos fazer
    Assim

    SINAIS

    sem um ai
    em silêncio
    num voo paira

    essa presença
    feita tudo

    que mais podemos (!)
    Mim

    Beleza, cheia de leitura(s)

    ResponderExcluir
  9. Eu aqui curtindo seu blog. Primoroso, como sempre!!!

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  10. saudades das nossas prosas, marquinho:

    o que foi feito de nós?

    cê anda mais sumido do que dindim no meu bolso.

    abração do

    r.

    ResponderExcluir