Como ter a disponibilidade criativa e lúdica de um anônimo construtor de castelos de cartas que se submete apenas às injunções do próprio medo (sagrado medo!) de que eles desabem diante dos seus próprios olhos?

domingo, 19 de junho de 2011

Uma Entrevista, um Agradecimento

Por vaidade não seria, embora ninguém esteja livre dela, mas por uma agradável sensação de pertencimento que algo assim provoca em mim, pelo prazer de trocar e propor a troca de idéias e sobretudo para agradecer essa generosidade. Por isso falo aqui da entrevista dada ao Roxo-violeta (e simultaneamente publicada no Mínimo Ajuste) da Tânia R. Contreiras, e da qual participaram pessoas pelas quais tenho o maior apreço, às quais leio assiduamente e que também me honram como leitores que dão sentido a este blog.

É de ressaltar a inteligência da fórmula adotada para a entrevista, multifacetada, plural. Que seja a primeira de uma série com outros entrevistados que certamente têm muito a dizer.

A Tânia é pessoa muito querida, generosa, cujo amor pela poesia , pela literatura e pela arte, é de chamar atenção. E sou muito agradecido a ela por sua leitura, por seus comentários, que desde os primeiros tempos do Diário Extrovertido significaram para mim um inestimável incentivo e apoio. Obrigado a ela e a todos que participaram dessa experiência tão gratificante. E, claro, em se tratando da semana do meu aniversário, é um presente e tanto.

Roxo-violeta:


E uma agradecimento também ao Mínimo Ajuste, à Bípede Falante e à Cirandeira:

7 comentários:

  1. Repetindo a mensagem que deixei no Azul:

    Marquinho, a homenagem é singela, mas feita com a união do coração de todos que o acompanham aqui, no Diário e agora no FB. Penso que é uma forma de agradecermos ao poeta pelo que nos tem dado de poesia nesse um ano e meio de Diário e de Azul.
    Eu acredito que a Poesia transforma. Acredito que os poetas são, em algum lugar de si, seres especiais. E espero podermos conhecer melhor outros tantos poetas maravilhosos que temos aqui na blogosfera.
    O poeta Marcantonio merece, sim, todas as homenagens.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  2. Eu li todinha.
    Excelente entrevista!
    Perguntas maravilhosas e suas respostas superam a expectativa de quem se arvora a tê-las.
    Parabéns.

    bj
    Rossana

    ResponderExcluir
  3. Marco,
    Li e vou reler (é que sou lento pra aprender, rs) pra apreender algo que tenho passado despercebido, alguma entrelinha entre estrelas...

    Abração a todos que participaram,
    Pedro Ramúcio.

    ResponderExcluir
  4. duas admiráveis homenagens, caro marcantónio: a entrevista da tânia e amigos a ti próprio, mas a não menos sentida que tu concedes à poesia, com respostas de harmoniosa lógica e sensibilidade.
    um abraço e parabéns!
    p.s. o ramalhete que a cris te preparou é igualmente irresistível, hein?

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, Marcantonio


    Li tua entrevista e todas as homenagens que recebeste no blog da Taninha e da Cris, está explicado de onde vem toda esta sensibilidade que brota na tua escrita e na tua arte.
    Mais uma vez parabéns pelo niver e pela pessoa que és.

    Bjs
    Wania

    ResponderExcluir
  6. Estou participando de um concurso literário e preciso de votos. É simples. Se você tiver facebook entre na sua conta e acesse este link:
    http://www.conteconnosco.com/trabalho-detalhe.php?id=622

    Daí é só logar na página do lado direito no topo "login with facebook" e votar no botão vermelho abaixo da foto. Para ir ao texto vai na categoria escrita. O texto é M. de Ricardo Barbosa.

    Conto com sua ajuda!

    Obrigado!

    ResponderExcluir