Como ter a disponibilidade criativa e lúdica de um anônimo construtor de castelos de cartas que se submete apenas às injunções do próprio medo (sagrado medo!) de que eles desabem diante dos seus próprios olhos?

terça-feira, 6 de julho de 2010

Dois Novos Poemas



PALAVRA OUTRA

No papel a palavra não é aquela
Em saliva quente engrolada
E que eu mascava, triturava
Com meus molares anoitecidos;
Ou que se agarrava, pudica,
Às minhas gengivas.

Não era ali grafada, a palavra mesma
Que não viera do estômago revolto,
Que não fugira dos pulmões doutos de ar,
Que não vazara das veias permeáveis;
Vinda de um íntimo devoluto
Que, afinal, não era lugar algum
De reconhecida propriedade.

De onde viera tal palavra, então,
Para ser outra nos campos de escrita?
Nem alada viera, nem brotara de veio,
Nem irrompera em sangue de ferida
Ou em poros de lavoura.

Essa palavra chega ao papel gelada,
Depois de correr por uma serpentina
Que me atravessa tendo seus extremos
Imersos no mundo?

Essa palavra tem, no papel, semblante
De ostra deflorada a canivete,
Sem mistérios de águas salobras
De lama, de crostas lavradas no tempo.

Chega ao papel como um veleiro à marina,
Que com velas arriadas parece ali arraigado.
Essa palavra, se no papel se imobiliza,
É tatuagem plana de inseto sem ventre;
Hipnose de serpente cordata, sem presas;
Ou estrela negra arrimada em carta celeste.


TRAÇOS

Olhos
Com lírios.

Na pele
Apelos
Rentes.

Na face
Posfácios
Rubros.

Na boca
Os antecedentes.










A Inútil Presa - Marcantonio - Técnica Mista

55 comentários:

  1. "Essa palavra tem, no papel, semblante
    De ostra deflorada a canivete,
    Sem mistérios de águas salobras
    De lama, de crostas lavradas no tempo"...

    Nossa, que poema, heim, Marquinho??? Esse eu vou tomar emprestado logo mais e postar no Roxinho, se me permitir. De onde viera essa palavra????

    Belíssimo também o A inútil Presa. Hoje é 1000 pra você!
    Abraços,
    Tânia

    ResponderExcluir
  2. Essa palavra que vem misteriosa, roubou-me as palavras tortas que eu tinha... o que posso fazer agora senão calar-me?????

    Beijo-te com doçura.

    ResponderExcluir
  3. "Traços" é desses poemas que carregam um universo...quando se chega ao final, com a surpresa dos antecedentes, vem o suspiro!!!
    Grande beijo, muito bonito!

    ResponderExcluir
  4. traços de palavras outras são coniventes com a presa que se auto devora. cortam o prefácio da madrugada com seus veleiros de velas líricas e atravessam o sono dos olhos atentos.
    abraço, caro poeta!!!

    ResponderExcluir
  5. Ambos excelentes. A palavra, chegando gelada ao papel: isso ficará para sempre na minha memória.

    ResponderExcluir
  6. Marcantonio, a palavra se transforma enquanto a processamos, acompanha o turbilhão da imaginação e se submete, sempre, a qualquer troca ou esquecimento. A palavra é, por excelência, o que há de mais tolerante em uma pessoa. Ou não. Sei lá *risos*. Estou caindo de cansaço e posso estar a ter apenas devaneios.

    ResponderExcluir
  7. Marco, coisa linda, hein?
    da 'palavra outra' ficam em mim algumas imagens, como a palavra pudica agarrada às gengivas, os poros de lavoura, a ostra deflorada a canivete,
    E, mais do que tudo, essa serpentina, que cospe palavras geladas e tem os extremos imersos no mundo. Tudo me traz sensação.
    'Traços' é genial!

    gostei demais da A Inútil Presa, presa de autopredadora presa.

    moço, hoje tu estava demais!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  8. Carlos Pena Filho certa vez disse que não há melhor brinquedo para adultos que as palavras. Traços, oras, é uma diversão e tanto!

    ResponderExcluir
  9. antecedentes, como impressões digitais ou traços da gênese. doutras palavras corroém lentamente mesmo fixadas sobre o clamor desta pátina,

    abraço

    ResponderExcluir
  10. E eis que a excelente poesia se associa à arte e provoca uma explosão criativa fantástica.


    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Têm música as palavras e beleza o dizer.

    L.B.

    ResponderExcluir
  12. Ô Tânia, obrigado sempre por tudo, pelo incentivo, pelas contribuições aqui e pelo carinho.
    Esse negócio de 1000 é com o Assis. Rs.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Kenia, você diz tanto! E ainda tem muito o que dizer, para a nossa sorte e alegria.

    Um beijo, querida.

    ResponderExcluir
  14. Daniela, eu o fiz ontem, durante uma prosaica viagem de ônibus. Vá se entender! Fico feliz que você o veja dessa forma.

    Obrigado!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  15. Ribeiro, seu comentário me gratifica: você incluiu tudo nele poeticamente!

    Um abraço, poeta de muito mais do que alguma poesia!

    ResponderExcluir
  16. Gerana, quando você diz que guardará na memória, eu passo a ter certeza de que consegui dizer algo especial. Obrigado.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. Bípede, não são devaneios não. Entendo o que você disse. Talvez eu não utilizasse o termo 'tolerante', pois ela também serve à intolerância. Diria maleável, nessa transformação a que você se referiu. Acho que a palavra é algo vaporoso que adquire diferentes graus de solidificação, mesmo a despeito de quem a emite.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Andrea, essa imagem da serpentina é a que mais me agrada. Como sempre não tenho idéia de onde surgem essas imagens. A palavra é algo que recebemos do mundo, da convenção social, de meios objetivos. Nós a manipulamos como acervo comum a todos, mas a devolvemos com diferente temperatura. Ela nos atravessa.
    Belíssima definição da Inútil Presa, Andrea.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. Fred, não há como discordar do Carlos Pena Filho. Aliás, em qualquer forma de arte esse aspecto lúdico é fundamental, está no próprio sentido de composição. E há coisa mais séria para a criança do que a própria brincadeira? Agora, nem sempre o lúdico está associado diretamente ao prazer, passando antes pelo desafio, pelo sentido da competição consigo mesmo ou pela conquista de uma idealidade que a imaginação propõe.

    Abração!

    ResponderExcluir
  20. Ô Assis, me dei conta de que a palavra 'corroem'pode ser rearrumada como 'ocorrem', daí que "as palavras corroem (ocorrem)lentamente".

    Abração!

    ResponderExcluir
  21. Paula, seja bem-vinda aqui. E muito obrigado por suas palavras.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  22. Rapaz, sua denominação da palavra arrancou do âmago coisas que eu até havia me esquecido.

    E para o segundo poema, só sobrou-me um suspiro. Lindíssimo!

    Gostei muito da tela também, interessante trabalho. Vc é um artista completo =).

    ResponderExcluir
  23. nestes três trabalhos sinto os traços esquivos de palavras por dizer que arribam aos portos onde os olhos, a pele e a boca são apenas os antecedentes de uma presa... da presa... fácil, ignota... (in)útil.
    sempre em excelente forma, marcantónio!

    ResponderExcluir
  24. Adoraveis versos.
    Os li em voz alta
    ness amnhã de quinta
    que o sol
    entra por
    minha
    janela
    e me
    arranca
    da cama
    me
    levando
    pra vida.

    Delícia de experiência!
    Te espero no meu canto
    pra um encontro poetico.
    Que tal?
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  25. Lídia, ah, a música das palavras! Tomara eu faça uma canção com os nomes que me embriagam!

    Obrigado.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  26. Lara, o seu comentário foi tão bom para mim! Artista completo? Acho que sou artista inacabado e com pressa. Mas, aonde irei?

    Se as coisas que resgato do esquecimento são boas, então esse é o máximo a que eu poderia aspirar.

    Beijo

    ResponderExcluir
  27. Jorge, com esses traços esquivos você fez um poema-comentário! Como sempre, aliás.

    Grande abraço, poeta!

    ResponderExcluir
  28. Reflexo d'alma, passarei lá novamente, e com prazer. Obrigado pela presença.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  29. Outras palavras grávidas que nascem/morrem/nascem/morrem... no ventre frio do poema.
    Na boca, os antecedentes do verbo.
    O quadro também é digno de pecado.
    Aquele abraço, pintorpoetafilósofo.

    ResponderExcluir
  30. "Essa palavra chega ao papel gelada,
    Depois de correr por uma serpentina
    "

    ResponderExcluir
  31. Três belos exemplos do poeta que você é. Registro a inquietação que a leitura de "Palavra Outra" produziu em mim. Imagens que não se esquece. Apreciei o muito que conseguiu em seu despojado "Traços"

    "A Inútil Presa" compondo belamente e reforçando significados. Nossa, adorei!

    Um beijo. E inté!

    ResponderExcluir
  32. Ô Paulo Jorge, obrigado. Mas filósofo não sou não. Rs.

    Abração!

    ResponderExcluir
  33. Ediney, obrigado pela presença aqui. Pois é, na fala a palavra tem outra temperatura, é gota que cai na chapa quente. Calefação.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  34. Ju, obrigado uma vez mais, pela atenção, pelo carinho e pela perspicaz leitura.

    Beijo, até breve.

    ResponderExcluir
  35. Oi Marcantonio, te achei lá longe, no blog da Bípede e você aqui tão perto no Rio.

    Gostei muito dos seus poemas! Parabéns!

    "De onde viera tal palavra, então,
    Para ser outra nos campos de escrita?
    Nem alada viera, nem brotara de veio,
    Nem irrompera em sangue de ferida
    Ou em poros de lavoura."...

    cara, é lindo!

    ResponderExcluir
  36. Patrícia, obrigado. Pois é, na blogosfera o conceito de vizinhança é outro. Rs. O nome do seu blog é muito bom, Dias Genéricos! Já estou seguindo aqui de perto.

    Obrigado, mesmo, Patrícia.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  37. Marcantonio, seus poemas são muito bons e a imagem vai ficar guardada na galeria particular aqui do micro. Parabéns e obrigada pelo comentário. Quero ficar em dia com seu blog.
    O engraçado na internet é que quando você pensa que já conhece quase todo mundo, descobre que falta ainda muita gente boa que vale a pena conhecer. É preciso tempo livre, acho que é o que está me faltando.

    Abraço grande.

    ResponderExcluir
  38. em "Palavra Outra" você criou imagens muito boas, fortes, visualmente criativas ("ostra deflorada a canivete","tatuagem plana de inseto sem ventre", "poros de lavoura", etc, etc, etc...)e ficou clara para mim sua visão plástica da poesia. eu gostei muito, me agrada demais a imagem que salta das palavras, eu as persigo! você é muito bom em construí-las!

    em "Traços", ao contrário do outro poema, as visões são diretas, flechas, flashes, sensoriais, quase como em uma escultura. eu fiquei encantada com o resultado. parabéns, principalmente pela construção de:

    "Olhos
    Com lírios."

    passeando pelos blogs cheguei até aqui, foi do 6vqcoisa que vim vindo. gostei muito marcantonio. seu trabalho como poeta é ótimo!

    quanto a pintura em "A Inútil Presa" os símbolos são tão fortes que se tornam quase palavras.

    veja: um escritor que pinta frases, um pintor que escreve quadros. assim senti.


    o quadro tem uma textura muito boa e as cores estão com a tonalidade de uma visão entre véus. é bem bonito.

    estou seguindo o blog e tentarei voltar mais vezes para acompanhar suas criações.

    fiquei muito feliz com o que conheci aqui.

    grande abraço.

    ResponderExcluir
  39. Dade, que bom vê-la aqui. Você está certa, compartilho dessa percepção da falta de tempo que impede tantas aproximações e descobertas que eu gostaria de empreender. Mas, aos poucos chegamos lá. Agora, já conheço o caminho do seu blog, trilha que pretendo fazer habitualmente para meu próprio prazer.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  40. marcantônio,
    fico encantado com a forma com que você vê (e trabalha) a cor.
    sou meio bicicleta de baiano, meio árvore de natal, meio kandinsky no meu jeito de ver artes plásticas, mas to aprendendo aos pouquinhos que existe esta forma de "síntese". tá vendo?
    não consigo nem me explicar direito...rs

    mas, preciso te contar que, quando li em Palavra Outra "Chega ao papel como um veleiro à marina", Aquarela, de Toquinho, começou a tocar em meu coração.

    tá vendo como tudo se mistura?

    beijão, marquinho.

    r.

    ResponderExcluir
  41. Betina, feliz fiquei eu com o seu comentário. Uma análise empreendida em minúcias que só pode reconfortar aquele que é lido de tal modo.
    Muito obrigado. Fui dar uma olhada nos seus blogues e, (claro!)também já a estou seguindo, até como um reflexo natural diante do bom gosto do conteúdo que neles encontrei. E pretendo aprofundar essa leitura.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  42. Gostei muito do "Traços" pela concisão e por ser muito directo
    Também gostei do 1º, cheio de imagens fortes, mas mais denso.
    e amei o trabalho de técnica mista. :D
    Parabéns, pois!

    ResponderExcluir
  43. Ô Roberto, sim tudo se mistura. Ainda mais nas artes plásticas, hidra de sete cabeças. Mas, cá entre nós, eu acho que a melhor forma de entendê-las é com os olhos, a sensibilidade. Há símbolos, idéias, história e muito blablablá. Mas o olhar tem prioridade. E você tem o seu. E entendo o que você diz sobre a síntese.
    Bicicleta de baiano? Rs.

    Beijão, Roberto.

    ResponderExcluir
  44. Em@, obrigado pela visita e por suas palavras.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  45. é, uai... bicicleta d ebaiano. numa capa de um dos cds (dos primeiros) do zeca baleiro tem uma genial.
    e, se não me engano, num do moraes moreira, outra, com lameira com escudo do flamengo e os cambaus.

    refiro a "enfeites", mistureba de cores, violas de congado...

    manja?

    abração,
    r.

    ResponderExcluir
  46. Ah, sim, Roberto. Entendi.

    Abração!

    ResponderExcluir
  47. Muito lindo o seu poema, palavras... palavras vêm e vão, soltas ao vento, presas na nossa consciência...

    Parabéns pela sua página. Harmonia e aconchego!

    Beijos pra ti e ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  48. Lembrei-me da Mosé: " A palavra é vespa. "

    Nossa Senhora das Liras! Tu és um poeta de mão cheia...

    Abraço cada traço.

    ResponderExcluir
  49. Oi, Marcantonio!
    Passei para agradecer a visita e as palavras pousadas no Asa...
    Quanto a você linkar o meu blog no seu, sinceramente não é incômodo algum, antes um privilégio.
    A presença de alguém que também sente-se e é fisgado pela palavra,é sempre bem vinda.
    Volto com calma!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  50. Luciana, seja bem-vinda aqui. Obrigado pelas palavras de estímulo. Uma ótima semana pra você!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  51. Ô Cris, obrigado novamente.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  52. Vaneide, que bom vê-la por aqui. O Asa da Palavra já está linkado (particípio estranho esse, né?)para o meu prazer. Volte sim.

    Com admiração,

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  53. Trabalho lindo o seu, como artista plástico, como poeta, como ser.

    Estou seguindo seu espaço.

    Grande Beijo!

    ResponderExcluir
  54. "Olhos
    Com lírios"
    me lembrou morte, mas a imagem é muito bela

    ResponderExcluir
  55. Marcantonio!

    A gênese dessa palavra atravessará mundos.

    O segundo poema.....perdi o fôlego!

    Ambos perfeitamente sincronizados com sua veia poética!

    Belíssimos!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir