Como ter a disponibilidade criativa e lúdica de um anônimo construtor de castelos de cartas que se submete apenas às injunções do próprio medo (sagrado medo!) de que eles desabem diante dos seus próprios olhos?

terça-feira, 27 de julho de 2010

Um ENTRE SÍTIOS e Outros Poemas



ENTRE SÍTIOS (10)

(Para Zélia Guardiano e seu Ad litteram)

Uma onda de humanismo
Espraia-se,
Não aos pés,
Mas sobre o corpo inteiro
Da LETRA.


APARENTEMENTE

Estou estendido no meu cotidiano
Como um faquir sobre uma cama
De pregos.

Os outros se iludem a respeito
Dos meus próprios riscos.


CORTANDO DA PRÓPRIA CARNE

Se fogem da paisagem as estradas,
A uniformidade torna a busca impossível.
Um suspiro desiste de exalar-se
Arraigando-se nas câmaras pulmonares
De onde pressiona o coração precipitado.

E os olhos
(apavorados com a própria obsolescência)
Tornam-se autográficos,
Consumindo a reserva de delírios
Situada por detrás das retinas.


SEM TÍTULO

Eu pretendia
dizer-te algo
que ninguém
jamais disse.
Mas não seria
precisamente
nada dizendo
que o não dito
eu te diria?

Assim,

se eu ombrear o meu silêncio
com o teu silêncio,
aguarda, de olhos postos em mim,
as mãos pendidas,
o peito desarvorado,
até que o pronome eu
entre nós se faça invisível.

Terá nos dito algo, o amor
que a palavra tornara
intraduzível.


EM DÚVIDA PROVERBIAL

A

Quem chora primeiro chora melhor?

B

De grão em grão o homem preenche os fatos:
{a b c d e f g h i j k l m n o... O 1 2 3 4 5 6 7 8 9}

C

Os últimos e os primeiros ocuparão
A mesma (trans)posição.

40 comentários:

  1. Ah, como eu adoro a Zelinha! Poetisa primorosa, toca fundo nossa alma, escreve de coração, de corpo inteiro. Que bom vê-la homenageada pelo melhor poeta em tecer carinhos na blogosfera.

    Aparentemente é tão comum ver a dor estampada nos outros, que as marcas não assustam mais. Corremos dentro de nossos próprios riscos.

    Cortaste minha pupila, traduzindo o indizível em tantos versos bem trabalhados.
    Deixo-te um pedaço do meu ser aqui.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Adorei o poema, mas amo tudo que se relaciona a Horowitz, esse é poeta dos dedos!

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. E os olhos
    (apavorados com a própria obsolescência)
    Tornam-se autográficos,
    Consumindo a reserva de delírios
    Situada por detrás das retinas.

    (que maravilha isso dito!)

    Mas o Sem Título me toca especialmente agora...Todo.
    Beijos, Marquinho

    ResponderExcluir
  4. bela a homenagem à querida Zélia! poetisa de tanta delicadeza, de tanta sensibilidade.

    os olhos autográficos e seus delírios, prenderam meu olhar

    mas esse sem título...ahh, esse tomou-me de assalto, por inteiro..."ombrear o meu silêncio com o teu silêncio" é uma das imagens mais lindas que eu já vi.

    Beijo, Marco! (poeta que não se sabe...rs)

    ah! eu acho que quem chora primeiro chora melhor sim.

    ResponderExcluir
  5. o poema 'sem título' é maravilhoso... se me der licença vou publicar no Literapura com os devidos créditos.
    abraço ;)

    ResponderExcluir
  6. marcantónio, a zélia é das pessoas mais singulares deste nosso círculo (porque tenho dificuldade em seleccionar um dos termos caracterizadores, cá vão os dois) poético e amigo. a sensibilidade que lhe escorre da mão não está apenas na tinta carmim; vem de dentro, daquele lugar imo a que poucos acedem (mesmo que, por hipótese todos o tenham) e a que só alguns eleitos logram chegar. caro amigo, homenagem belíssima, bem escolatada por uma carne sem título aparentemente esventrada em nome do génesis... proverbial.
    um forte abraço, poeta amigo!

    ResponderExcluir
  7. marcantónio, a zélia é das pessoas mais singulares deste nosso círculo (porque tenho dificuldade em seleccionar um dos termos caracterizadores, cá vão os dois) poético e amigo. a sensibilidade que lhe escorre da mão não está apenas na tinta carmim; vem de dentro, daquele lugar imo a que poucos acedem (mesmo que, por hipótese todos o tenham) e a que só alguns eleitos logram chegar. caro amigo, homenagem belíssima, bem escolatada por uma carne sem título aparentemente esventrada em nome do génesis... proverbial.
    um forte abraço, poeta amigo!

    ResponderExcluir
  8. Marcantonio querido!

    Adoro esta fartura poética que encontro cada vez que venho aqui te ler!

    Gosto muito da Zélia, ela é um docinho. Um docinho que faz poesias mais doces ainda! Ela sabe como ninguém traduzir as LETRAS dos pés a cabeça!

    Lindo tb é o teu APARENTEMENTE, só eu sei onde se deita o meu cotidiano...os outros se iludem pela aparência, substimam os meus riscos. Que coisa linda isso, uma verdade traduzida em poesia das mais belas que já li!


    E não posso deixar de comentar este verso que tb me calou fundo:

    se eu ombrear o meu silêncio
    com o teu silêncio,
    aguarda, de olhos postos em mim,
    as mãos pendidas,
    o peito desarvorado,
    até que o pronome eu
    entre nós se faça invisível
    .

    Amor é isso, faz sumir os EUs!



    Lindo, tudo lindo para começar o meu dia!
    Que esta mesma energia embale as tuas horas!

    Um beijo pra Zélia e outro pra ti.

    ResponderExcluir
  9. Amigo Marcantonio
    Fiquei aqui, um longo, longo tempo tentando escolher palavras, mas elas me fugiram... Tímidas, se esconderam, de maneira que só me resta o chavão: Muito Obrigada! Mas um Muito Obrigada provindo do sítio mais profundo
    de minh'alma...
    No mais, tudo aqui , perfeito! Se tivesse de escolher um poema, ficaria com todos...
    Enorme abraço, todo entrelaçado com fios de gratidão...

    ResponderExcluir
  10. juro que me perdi na poesia da música deste Vladimir, pianista. tenho um disco com ele interpretando os Improvisos de Schubert, um espetáculo. E olhando para as mãos desse mestre senti-me tocado a fazer analogia com os versos da Zélia: produzem sons e carinhos. Já as tuas mãos de cores, artista múltiplo, se encarregam de por luz nos mistérios tão singelos da amizade,


    abração

    ResponderExcluir
  11. canções para a guardiã da poesia e de um humanismo raro.
    Zélia é simplesmente isso.
    E você, Marcantônio, sempre além das preces.
    Abraço forte.

    ResponderExcluir
  12. Marcantonio, o teu "Aparentemente" foi o balsamo que faltava!
    Beijos
    Laura

    ResponderExcluir
  13. Vladimir, li teu poemas ao som dele, então teus versos ganham gravidade.

    ResponderExcluir
  14. Zélia poetisada por Marcantonio.
    É das profundas da alma.
    SEM TÍTULO também carrega cargas de poesia.
    Enfim, tudo dentro da (a)normalidade marcantoniana.
    Aplauso!

    ResponderExcluir
  15. Putz! O meu comentário se perdeu de novo! Eu esqueço as malditas letrinhas. Você não achou o que dizia que quem chora primeiro usa um lencinho limpo, Marcantonio?
    E algumas coisas mais que agora não lembro :(

    ResponderExcluir
  16. Marcantonio,

    vim aqui não só parabenizá-los como também para pedir seu aval para repostar o poema Moscas em um outro blog que mantenho, o Cronisias (cronisias.blogspot.com), é possível? Grande abraço!

    ResponderExcluir
  17. Meus caros amigos, excepcionalmente não responderei de maneira individual a todos os comentários. Estou meio enrolado. Agradeço muitíssimo as visitas e a atenção sempre carinhosa.

    Grande abraço a todos!

    ResponderExcluir
  18. Querida Zélia, é uma homenagem sincera. Aprecio muito a sua escrita que classifico como luminosa, e a forma com que você procura nos estimular a todos. O humanismo é mencionado porque não consigo imaginá-la postando algo contaminado de profundo pessimismo, ou com tendências obscuras. É, pelo contrário, uma clareza humana que parece movê-la, atenta ao essencial, e com o olhar arguto de quem percebe a complexidade por trás das coisas aparentemente simples.

    É sempre prazeiroso ler as transformações alquímicas que você produz.

    Grande e terno abraço.

    ResponderExcluir
  19. Sabe o que me fez gostar daqui?
    A singeleza da pequenez de detalhes...mas tão grande em sabedoria...

    Bjs....Dina

    ResponderExcluir
  20. q belo post...os poemas belíssimos, especialmente o que diria do amor, a música, tudo vale a pena aqui...

    ResponderExcluir
  21. Meus olhos passeiam sobre seus versos; tropeço ali e aqui nas pedras das minhas reflexões. E agradeço por isso.

    Hoje não quero ir-me daqui sem dizer-lhe o quanto apreciei o "Sem Título". Um encantamento. Sigo aprendendo muito com você, poeta.

    Quanto à poesia da Zélia, não faz muito tempo que a conheci. E os versos que dedicou a ela dizem muito do que senti lendo alguns dos seus poemas. Bela homenagem, Marco!

    Bjs e inté!

    ResponderExcluir
  22. Marcantonio,
    passei pra agradecer teu comentário lá, porque é de uma sensibilidade e percepção incríveis.
    valeu ;)

    ResponderExcluir
  23. Tudo muito bonito, mas o poema "sem título", é o titular.
    bjs.

    ResponderExcluir
  24. Também adoro visitar Zélia e seus poemas. Bjo para Zélia.
    Marcantonio: "Sem título", talvez por não ter título, sentiu-se obrigado a ser o destaque.

    ResponderExcluir


  25. Vim ver só um...

    Diversidade!
    Versátil poeta... G-nio!

    ResponderExcluir
  26. Ei Marco Antonio,
    ja te sigo com meus outros blogs,
    mas quero reafirmar que adoro
    te ler.
    So hj vi que é do RJ?
    Hunnn...
    Mas tambem venho de apresentar meu novo espaço, caso goste de ler contos e cronicas,
    Lindo domingo pra nós.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  27. Assis, meu querido amigo
    Meu coração derrete e escorre, em caudaloso rio de gratidão, até você que,
    além de ser tremendo poeta , é também o amigo que todos gostariam de ter!
    Enorme abraço!!!

    ResponderExcluir
  28. Larinha querida
    Você sabe: o próximo é o nosso espelho...
    Obrigada, minha querida, pelas palavras sempre generosas! Já lhe disse isto N vezes, mas não é demais, nunca...
    Enorme abraço, minha poetisa-mor!!!

    ResponderExcluir
  29. Obrigada, muito obrigada, Andrea querida, pelas palavras, estas sim,feitas de delicadeza e de sensibilidade...
    Beijo, amiga!

    ResponderExcluir
  30. Ribeiro, meu querido amigo e grande poeta
    Você mora dentro do meu coração. Tem um lugarzinho cativo...
    Sabe disfarçar o imenso talento que tem, com uma simplicidade invejável! É isso que faz a diferença...
    Grata pelas palavras tão amáveis!
    Enorme abraço

    PS- E sobre o que diz de Marcantonio, assino embaixo mil vezes!

    ResponderExcluir
  31. Jorge, Jorge, Jorge...
    Você me deixa muito emocionada! Muito!
    O carinho coloca-lhe nos olhos umas lentes que acrescentam, àquilo que é prosaico, efeitos especias...
    Fico-lhe imensamente agradecida, meu amigo tão querido e extraordinário poeta!
    Receba enorme abraço, todo revestido com a admiração que tenho por você!!!

    ResponderExcluir
  32. Paulo Jorge
    Não sei como é que meu velho coração resiste...
    Você acha que dá pra aguentar uma emoção assim? Ser homenageada pelo Marcantonio, ele sim, merecedor de todas as homenagens...
    Marcantonio e Paulo Jorge, grandes poetas e meus grandes amigos: Obrigada!!!
    Abraços

    ResponderExcluir
  33. Obrigada, Ju, pela impressão favorável!
    Marcantonio sabe tocar a alma da gente...
    Abraço

    ResponderExcluir
  34. Obrigada Gerana, minha querida!
    Abraço

    ResponderExcluir
  35. Oh, Wania, minha querida
    Você, sim, é um docinho...
    Escreve lindamente!
    Obrigada!!!
    Abraço...

    ResponderExcluir
  36. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do Blog Teatro da Vida. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


    Abraços

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  37. obrigada pela presença!

    espaço de palavras bonitas.
    voltarei mais vezes!

    ResponderExcluir
  38. A Zélia é uma querida, de uma sensibilidade extrema, que nos toca com louvor. E tu, Marcantonio, além de generoso, és genial.

    Beijos nos dois.

    ResponderExcluir
  39. Bem, como é que eu vou dizer isso aqui?!!... Marco, você publica tanta coisa incrível ao mesmo tempo que eu nem sei por onde começar a comentar, e mais importante do que isso é que o comentário vira praticamente um livro, e tratando-se de mim, um livro ainda cheio de inutilidades (porque eu não sei demonstrar meu carinho e admiração pelo trabalho dos outros sem o exagero sincero característico da minha pessoa!)...

    Vamos pelo começo então: gostei demais, de tudo, mas duas coisas em especial, vão ficar na minha cabeça essa semana: o APARENTEMENTE e o SEM TÍTULO.

    O primeiro deles porque reflete com tanta simplicidade e veemência o inferno Sartreano, o tipo de 'texto filosófico' que eu acho que tem mais impacto, algo compreensível para os mais diversos tipos de pessoas. Brilhante!!!

    O segundo, porque é bem o que eu penso de amor às vezes, silêncio. Coisa mais linda.

    Obrigada por compartilhar sempre. Beijão!

    ResponderExcluir
  40. Li e reli os poemas. Sensibilidade no trato com as palavras, poemas que querem - ou oferecem - muito.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir