Como ter a disponibilidade criativa e lúdica de um anônimo construtor de castelos de cartas que se submete apenas às injunções do próprio medo (sagrado medo!) de que eles desabem diante dos seus próprios olhos?

quinta-feira, 29 de abril de 2010

No Miolo Dos Livros

1

Como é bela
a página que se amarelou
atravessando tantos outonos.

Folha que não caiu,
como se permanecesse
entre a flora viva.

2

Algumas retiveram
a pálida silhueta
de marcadores
tardiamente removidos:

Involuntário rubor
pela dissidência do leitor.

3

Espremida entre as páginas,
mata-borrões da seiva viva,
a flor secou, trancada
na escuridão bidimensional.
Mas urdiu à força
uma ilustração intrusa
e temporal.

















Monotipia s/ título - Marcantonio

26 comentários:

  1. No miolo dos livros e nas epifanias do poeta. Muito bom.

    ResponderExcluir
  2. São tantas as memórias guardadas no âmago do livro, que o coração do escritor pulsa nas folhas. A arte compõe como a completude de esferas.
    abraços

    ResponderExcluir
  3. As páginas amarelas contam estórias que nunca vão morrer, se forem transferidas para as cabeças das pessoas em tempo.

    Bjo.

    ResponderExcluir
  4. Marequinho, aqui o artista plástico se une ao poeta, e o efeito, no poema, é muito bom.

    "...a flor secou, trancada
    na escuridão bidimensional.
    Mar urdiu à força
    uma ilustração intrusa
    e temporal."

    O máximo isso!!!

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Rodrigo, muito obrigado. Dê uma certa forma você fez um link, não é? (Rs). Que seria de nós sem as epifanias que nos assombram e intrigam? Digamos, no miolo da vida as epifanias dos poetas!

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Mai, essa relação entre autor e obra dá sempre o que falar. Podemos ver a obra, talvez, como um sítio devoluto do qual o autor se apossou, no qual trabalhou a terra,e de onde se ausentou, esquecendo definitivamente o caminho de volta. Para completar, sente que suas terras foram desapropriadas para fins de reforma agrária! Ainda bem! Sério, o coração é posto em tudo, mas não deixa vestígios tão nítidos como as digitais.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Kenia, realmente. E há uma espécie de militância ecológica em favor dos livro quando desdobramos a leitura que fazemos deles. E é espontânea!

    Que a sua simpatia retorne sempre aqui.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  8. Tânia, você me fez lembrar do dito de Horácio (caramba!), "ut pictura poesis" (a poesia é como a pintura). Idéia que não se aceita mais, é claro. Mas tudo são imagens com texturas diferentes, né? As da poesia com um foco mais impreciso e, talvez, mais fecundo. No meu caso, acho que o artista plástico reclama, por antiguidade, direitos sobre o poeta suspeito.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Marco, acho que poeta é poeta, seja qual for o canal de expressão. Poeta é poeta até mudo. Um olhar versifica tanto, né não?

    Ah, olha lá, que meu novo post ofereci a você!

    abraços

    ResponderExcluir
  10. No miolo dos livros eu sempre encontrei o pão, meu sagrado alimento. abraço

    ResponderExcluir
  11. Tânia, você está certa. A poesia é o substrato e a meta de toda linguagem artística. Nossa! E como o olhar versifica!

    A sua homenagem me emociona.

    Um abraço, querida.

    ResponderExcluir
  12. Olá Assis, e certamente esse alimento faz parte do metabolismo que mantém viva a sua poesia. Essa admirável poesia que você irá dividir conosco em mil e uma ceias.

    Abração.

    ResponderExcluir
  13. Um aparte:
    Diz você em seu perfil,ser um pessimista esperançoso,eu que sempre me disse ser uma otimista compulsiva,ficava pensando pq se otimista sou,estou sempre sendo acometida por cismares e melancolias.Encontrei aqui a resposta.
    Não sou otimista nada,sou uma pessimista que teima em ter esperança.......assim como você.
    Gostei deveras daqui
    Volto......pra te ler "inteiro"

    afagos

    ResponderExcluir
  14. Marcantonio
    Adoro páginas amareladas! Parece que contam histórias mais vividas... E, talvez, eu legisle em causa própria...rsrsrs...
    Lindos versos! lindos!

    Um forte abraço

    ResponderExcluir
  15. Denise,o pessimista esperançoso, pra mim, é aquele que julga que tudo é incerto, para o bem e para o mal. Não quer controlar o acaso,mas se reserva a possibilidade casual de ser desmentido pela ocorrência de coisas boas, como a sua visita aqui, por exemplo.
    Volte sim. E obrigado.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  16. Sim, Zélia, elas amarelam porque permanecem vivas, contando histórias do que sempre fomos.

    Retorne sempre, com a sua simpatia e jovialidade!

    Outro forte abraço.

    ResponderExcluir
  17. Olá Cris! Seja bem-vinda!

    Obrigado.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Marcantonio, se teu filho já está conhecendo o Cure... então vai ser dos nossos..rs... coisa boa encontrar coincidências ao acaso...

    ResponderExcluir
  19. Tudo aqui é bonito!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  20. É, Sonia, e ele tem talento musical. Quanto a mim, como testemunha auricular da época (rs),não há como esquecer o Cure, mas atualmente estou mais para ouvir outras coisas, como o Villa-Lobos, por exemplo, de quem você tão bem falou.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  21. Olá Inês!

    É tudo ensaio por aqui. Que bom que você tenha gostado.

    Outro abraço!

    ResponderExcluir
  22. Maravilha Marcão!

    São por essas e outras que eu acho esses leitores de e-books (kindle e iPad) tão frios...

    Eles não nos permitem experiências desse tipo! Dá pra cheirar um livro, mas não dá pra cheirar uma máquina...

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  23. É, Fouad, pode até ser que para o autor, ou para o leitor que se pretende objetivo, o livro seja apenas conteúdo. Mas para o leitor mais sensível ele possui outros apelos sensórios que também geram memórias. Mesmo que a máquina tivesse cheiro, seria o mesmo cheiro para todas as edições, né? Perderíamos essa identidade física dos exemplares.

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
  24. menino, que coisa linda foi esta ? "Posérpina deve ter adormecido mármore e despertado carne..." . dá nome pra livro, pra poema, pra nova obra... lindo lindo... depois vou usar no blog (com os créditos à ti, mas vou usar...)

    ResponderExcluir
  25. Oi Sonia. Sei lá, saiu na hora. Deve ser a beleza da escultura de Bernini. Da forma que você a mostrou, de fato, perece de carne e osso. Fique à vontade para usar.

    Abraço.

    ResponderExcluir