Como ter a disponibilidade criativa e lúdica de um anônimo construtor de castelos de cartas que se submete apenas às injunções do próprio medo (sagrado medo!) de que eles desabem diante dos seus próprios olhos?

domingo, 30 de maio de 2010

Rosáceas

Se a escrita não for essa pomba que parte,
garrafa alada de um náufrago
que se afoga na própria saliva,
para que escrever?

Feito um monge,
grafitando as paredes da cela,
para deixar pistas
de homicídios não cometidos?

Ou pior, pior, seria escrever
esse entulhar o chão ao meu redor
com bilhetes amarfanhados
de um suicida latente
como se fossem esses cravos de papel branco
os únicos resíduos de mim?

Não!

Escrever abrindo rosáceas altas
nas paredes com a espessura do medo
de viver,
para que uma luz insuspeita
vaze por elas
criando fímbrias de cores pagãs
na luz branca de todo dia.























                 Imagem retirada daqui.

16 comentários:

  1. MarcAntonio: Gostaria de encontrar a garrafa desse naufrágio, e estar dentro encontrar bilhetes seus amarfalhados, na luz branca de todo dia! Vá meu lindo, continue a ancorar em Portos que te iluminem e nunca deixe de poetar, poesiar...
    com amor e carinho,
    Sílvia
    Lá no meu blog há uma nova postagem a espera da tua leitura!

    ResponderExcluir
  2. Ah, Marcantonio, tenho já o meu próximo post, que serão esses versos, com a sua permissão, evidentemente. Nossa, que imagem belíssima: garrafa alada de um náufrago....monge grafitando na cela...Seus versos trazem a beleza do inusitado, ler você é superhiper estimulante, mexe com coisas intocadas lá dentro da gente. "Escrever abrindo rosáceas altas" é qualquer coisa de assombrosamente linda!

    Esse livro precisa existir e estou na frente da fila para adquirio-lo.

    Nossa, obrigada, eu precisava ler esse invulgar, sempre, dos seus versos, e com beleza tamanha!

    Abraços,
    Tânia
    P.S. Mais dois dias, e peço-lhe emprestado esses versos para um post. rs

    ResponderExcluir
  3. Que imagens belíssimas esse poema cria. Marco!

    Gostei demais dessa pergunta:

    Se a escrita não for essa pomba que parte,
    garrafa alada de um náufrago
    que se afoga na própria saliva,
    para que escrever?


    Não há finalidade na escrita que não seja a de libertação. Beijo sempre carinhoso. =*

    PS.: Estou sem computador essa semana, então não estranhe se eu demorar pra vir aqui falar da beleza das suas linhas. É que estou lendo do trabalho. Beijoca!

    ResponderExcluir
  4. "domingo, 30 de maio de 2010
    Rosáceas

    Se a escrita não for essa pomba que parte,
    garrafa alada de um náufrago
    que se afoga na própria saliva,
    para que escrever?

    Feito um monge,
    grafitando as paredes da cela,
    para deixar pistas
    de homicídios não cometidos?

    Ou pior, pior, seria escrever
    esse entulhar o chão ao meu redor
    com bilhetes amarfanhados
    de um suicida latente
    " os versos que nos salva , também são os versos que nos tira da rotina ou nos afoga nela

    ResponderExcluir
  5. "Paredes da expessura do medo de viver."
    Perfeita construção acrescida pela belíssima mandala dos vitrais de Chartres.

    abraços e boa semana

    ResponderExcluir
  6. Canto alto, pairando acima do decorativo. abração

    ResponderExcluir
  7. Silvia, obrigado pelo seu carinho. Eu vou passar lá, sim, para ser acarinhado novamente pela sua escrita. Um abraço.


    Tânia, claro que lhe empresto! Como eu lhe negaria, se isso só vai distinguir o poema? Abraços.


    Kenia, obrigado. Sem dúvida que eu sentiria a sua falta aqui. Mas triste mesmo seria ver adiados os poemas do Poesia Torta. Mas pelo que vejo aqui na lista de blogs isso não vai acontecer. Ainda bem! Um beijo!


    Ô Ediney, bom vê-lo novamente aqui. Rapaz, na rotina ou na falta dela, a vida nos subjuga. E o verso tenta refleti-la. Abração.


    Oi Mai. Obrigado. Sim, essas paredes são espessas, mas permeáveis. Boa semana para você também!


    Assis! A gente vai aprendendo um pouco nessa coisa de amar as palavras. Arrancando as etiquetas de umas coisas para colar em outras. Abração!

    ResponderExcluir
  8. spamizade.... rs

    ó,
    o kledir aderiu ao blogspot. depois cê passa lá pra "desopilar".
    é satisfação garantida ou o seu dinheiro de volta...

    http://blogkledirhome.blogspot.com/

    beijão do
    roberto.

    ResponderExcluir
  9. que bonito, marcantonio...
    alias, bonita tambem é a sua outra arte. estive ontem no seu outro blog e gostei, de imenso.
    precisamos divulgar pro mundo!

    beijão do
    roberto.

    ResponderExcluir
  10. Escrevi um comentário que se perdeu :(

    ResponderExcluir
  11. Marcantonio, essa poesia nos passa belas imagens, fiquei encantada com os últimos versos: "Escrever abrindo rosáceas altas
    nas paredes com a espessura do medo
    de viver,
    para que uma luz insuspeita
    vaze por elas
    criando fímbrias de cores pagãs
    na luz branca de todo dia."
    Isto é sem dúvida demonstração de talento!
    Tenha um ótima semana :)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Ô Roberto, obrigado quatro vezes: pelo comentário sobre os meus trabalhos, pela dica sobre o Kledir
    (claro que vou lá ver!)e por aquela crônica tão bela sobre a D. Glória que me tocou fundo.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  13. Bípede, poxa... Mas não tem problema não. Promete que volta? :)

    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Isabella, obrigado. Tô devendo uma visita ao Poesia para Poetas, mas já já chego lá. Uma boa semana pra você também!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  15. Marco, ontem quando li esse poema, resolvi que não comentaria, porque o meu calar diante dele significava algo maior do que palavras...

    mas a imagem da

    "garrafa alada de um náufrago
    que se afoga na própria saliva"

    povoou minha mente, e

    "Escrever abrindo rosáceas altas
    nas paredes com a espessura do medo
    de viver,
    para que uma luz insuspeita
    vaze por elas"

    tatuou-se em algum canto da minha alma, que voltei para reler e cá estou, a dizer-te: este teu poema me marcou.

    um beijo pra ti

    ResponderExcluir
  16. Ô Andrea, obrigado. Essa reverberação que o poema provoca no outro nos reconforta , não é? Dá a ele um sentido essencial talvez impressentido por nós mesmos quando o escrevemos.

    Um beijo.

    ResponderExcluir